Greta Thunberg Barco

KIRSTY WIGGLESWORTH/POOL VIA REUTERS

 

Greta Thunberg, a jovem ativista ambiental sueca de 16 anos, que é inspiração para milhares de pessoas no mundo, partiu em um veleiro, do Reino Unido, no dia 14, em uma viagem de duas semanas, rumo a Nova York, EUA. Deve chegar lá com antecedência, com o objetivo de participar, em setembro, da cúpula do clima, na Organização das Nações Unidas (ONU), que revisará os compromissos firmados pelas nações no Acordo Climático de Paris e metas de planos mais ambiciosos para atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) até o ano de 2030. O evento terá uma versão jovem, no dia 21 de setembro, e a oficial no dia 23. Ao mesmo tempo, a estudante se concentrará em seu papel de liderança jovem nas Mobilizações Globais pelo Clima, que ocorrem entre os dias 20 e 27 de setembro, e pretende ir a outros países próximos. 

Por que ela não foi de avião, vocês podem estar perguntando, não é? Pois seria tão mais rápido e menos desgastante. Afinal, é uma distância até lá de 4,8 mil quilômetros. Segundo Greta, para diminuir sua pegada de emissões de carbono. Essa decisão não é de agora e vem desde 2015, como conta. E exatamente hoje, esta garota nórdica de trancinhas, com uma personalidade singular, está em algum pontinho do oceano Atlântico, passando por mais esta experiência inusitada em sua vida. A sua viagem pode ser acompanhada em tempo real, por imagem de satélite, neste link: Windy as forecasted
E veja só o que ela postou hoje em seu twitter. Uma mensagem para nós, brasileiros:
“Mesmo aqui no meio do Oceano Atlântico, eu ouço sobre a quantidade recorde de incêndios devastadores na Amazônia. Meus pensamentos estão com os afetados. Nossa guerra contra a natureza deve acabar”, afirmou Greta.

Portanto, quem pensa que já viu todo seu potencial e coerência entre o que fala e faz, se engana. A adolescente diariamente toma atitudes como esta, que trazem novas inspirações às mobilizações pelo clima no mundo, com o efeito multiplicador das “Fridays for Future” (Sextas para o Futuro, em português). Movimento chamado de greve pelo clima, do qual foi a precursora, desde o ano passado, e já se espalhou por mais de 2 mil localidades em 60 países. Por essas e outras, esta estudante, que é ao mesmo tempo ousada e tímida, está sendo indicada a Prêmio Nobel da Paz, e mais uma vez surpreende. Consegue quebrar qualquer tipo de estereótipo. Mais do que viral nas redes sociais, ela consegue estimular cidadãos e cidadãs a irem para as ruas, de uma forma consciente.

Com o propósito de diminuir a sua “pegada” de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs), resolveu optar por esta viagem oceânica. Seu ponto de partida foi o sudoeste do Reino Unido, no último dia 14, em companhia de seu pai Svante, do cinegrafista Nathan Grossman. A embarcação está sob o comando do capitão alemão Boris Hermann e por Pierre Casiraghi, fundador da regata Malizia, da família real de Mônaco. Os tripulantes ofereceram a viagem como cortesia à Greta.

E quem pensa que ela tem algum tipo de privilégio, nada disso. As condições da embarcação são modestas, sem chuveiro e nem cozinha. Todos optaram por levar alimentos desidratados veganos. E as turbinas são solares e submarinas.

Bem, sem mais comentários, este é um pouco do muito que Greta Thunberg tem feito na busca por um planeta mais equilibrado, sem os comprometimentos causados pelos combustíveis fósseis e pelo desmatamento.

 

Confira o recado de Greta para os dias 20 e 27 de setembro

 

###
Sucena Shkrada Resk – jornalista ambiental, especialista em política internacional, e meio ambiente e sociedade, é digital organizer da 350.org Brasil